Written by: Feminismo Raiz

O que uma imagem nos diz sobre o papel social das mulheres na maternidade?

O valor das mulheres e da maternidade sob a ótica patriarcal

De antemão, vale salientar que não estou realizando nenhuma suposição a respeito do jogador de futebol, sua parceira ou a filha de ambos, estou tão somente construindo uma análise a partir da disposição e montagem específica da imagem.

O que você sente ao visualizar esta imagem? 

Quando observamos uma fotografia, nossa percepção a analisa sob um prisma intrinsecamente afetado pelo imaginário sociocultural, pela construção simbólica da ação representada e pela história prévia que nos conta, não apenas aquela fotografia, como a repetição dos signos que nela percebemos em contextos similares.

No caso da imagem que trouxe, vemos Neymar segurando em seus braços a filha recém-nascida, enquanto sua companheira, ao longe e com a fisionomia borrada, observa a cena. A fotografia está em preto e branco.

Como construiremos essa análise por partes, em primeira instância podemos considerar a carga simbólica e sígnica dos tons em preto e branco no imaginário social. Em geral, tendemos a relacionar esse tipo de coloração a elementos remanescentes do passado, à tristeza, ao mistério ou horror e também à melancolia. Os tons cinzentos e escuros foram historicamente associados ao conjunto de emoções e sensações humanas negativas ou às memórias arcaicas. 

No plano frontal, podemos pensar na simbologia histórica do patriarca com a sua prole, o reconhecimento do pai sobre o filho, que nos conduz aos cenários familiares tradicionais, à imagem da família nuclear burguesa (mãe, pai, filhos e/ou animal de estimação). 

Bruna, a companheira em segundo plano, além de borrada e ao longe, tem na imagem uma história já construída a partir das nossas percepções prévias. Ao longo de seu relacionamento com Neymar, Bruna foi constantemente traída e alvo de chacotas por não buscar uma separação mediante às traições. O discurso que se constrói sobre mulheres como Bruna, é o de que “aceitam tudo” para estar ao lado de homens influentes e com capital monetário. 

A lógica que se estabelece na relação jogador de futebol-parceira fixa, é muito similar à lógica arcaica que se mantinha entre grandes detentores de capital e suas respectivas esposas. A função primordial da mulher é lhe transmitir um herdeiro, preferencialmente masculino, ou feminino após um primogênito masculino. As mulheres de homens influentes devem servir como veículos à maximização de seu prestígio segundo os desígnios da própria masculinidade. 

A potência de um homem é medida através de seu capital financeiro, mas também por seu papel de inseminador em uma sociedade fundamentada na lógica hiper-sexual das relações entre homens e mulheres. Inseminar uma mulher dentro desta ótica é como colonizá-la, fazê-la factualmente pertencente. Assim como na trama da obra “O Conto da Aia”, as escravas sexuais recebem o nome a partir do sobrenome de seus captores, o borrar do rosto em uma fotografia é extremamente sintomático sob a perspectiva discursiva.

Mulheres como Bruna não precisam ter um rosto, só precisam ter corpos que serão explorados, usados e posteriormente descartados após ratificarem o poder e influência masculinas através do fruto de seus úteros.

(Visited 89 times, 1 visits today)
Tags:, , Last modified: 25 de outubro de 2023